É PANC é PLANTA e está na MODA!

quarta-feira, agosto 24, 2016

Em cena desde sempre, elas estão por aí dos locais mais inusitados aos mais óbvios. As PANCs podem estar no seu quintal, nas calçadas da cidade, em meio ao seu trajeto diário, em meio a hortas, jardins e plantações, crescendo espontaneamente para nos presentear com inúmeras possibilidades de uso e consumo.

Graças a busca cada vez maior por uma alimentação orgânica rica em nutrientes sem ter que abrir mão dos sabores, as PANCs estão sendo trazidas de volta à cena. Depois de terem se tornado desconhecidas devido ao afastamento do homem moderno do contato com a Natureza e da produção do seu próprio alimento, bem como apouca diversidade de espécies causada pela limitação da agricultura convencional, elas estão de volta com ares, estilo e sabores que já conquistaram o status de estrelas da alta gastronomia.
PANC é toda Planta Alimentícia (comestível) Não Convencional, seja ela silvestre (oriunda da mata), ou espontânea (aquelas que nascem espontaneamente em meio a uma plantação ou jardim). E para dar uma mãozinha para que possamos conhecer estas plantas,  o Botânico Fluminense Valdely Kinupp, publicou o livro "Plantas Alimentícias não Convencionais" (ed. Instituto Plantarium) escrito em parceria com o Agrônomo Harri Lorenzi, autor de diversos outros livros sobre plantas ornamentais, árvores brasileiras, palmeiras, etc.

Considerado indispensável por um crescente número de pessoas cada vez mais interessadas em uma alimentação orgânica e saudável, o livro é um grande manual ilustrado, contando com fotografias de 351 espécies de PANCs que foram consumidas no passado, nas mais diversas regiões do mundo. Um verdadeiro guia de identificação destas plantas, contando tim tim por tim tim sobre seus aspectos nutricionais e aplicações em receitas ilustradas.

"Muito do que é tido hoje como não convencional já foi consumido no passado e, por algum motivo, o hábito se perdeu. O objetivo é resgatar esses sabores e driblar a monotonia à mesa" explica Valdely Kinupp. Muitas plantas desconhecidas por nós, são consideradas ervas daninhas porque somos, na grande maioria, analfabetos botânicos, ou seja, não sabemos nada sobre plantas. Mas, muitas destas "ervas daninhas" são comestíveis, possuem alto teor nutritivo e sabores atraentes que tem sido cada vez mais utilizados por renomados Chefs da alta gastronomia, que já contam com o sucesso dessas estrelas em seus cardápios.


Desde o surgimento da agricultura, que ocorreu por volta de 12 mil anos atrás, o homem vem aperfeiçoando e desenvolvendo técnicas para os mais diversos aprimoramentos das práticas agrícolas. Mas, com todo o aprimoramento alcançado até os dias de hoje, aplicadas nas inúmeras plantações espalhadas pelo mundo todo, algumas plantas alimentícias foram caindo no esquecimento até se tornarem desconhecidas pela maioria de nós. Simplesmente consideradas como pragas, estas plantas estão espalhadas por aí "dando sopa" com muitas propriedades nutritivas e medicinais, tanto quanto ou mais, do que as tantas outras plantas comuns ao nosso consumo.

No grupo das PANCs têm de tudo. Há espécies nativas, exóticas, cultivadas, espontâneas, frutos, vagens, folhas e grãos. O que tem em comum entre estes elementos incomuns, é que são plantas que não encontramos facilmente nos mercados e feiras em geral, com a exceção de algumas regiões.


Também são considerados PANCs as partes dos alimentos que geralmente descartamos. Um exemplo é a bananeira, planta da qual só consumimos o fruto maduro, jogando fora outras partes comestíveis como o coração (ou umbigo) e os frutos verdes.

Graças a pesquisadores e especialistas cada vez mais dedicados a estudá-las elas estão despertando o interesse de todos que valorizam uma alimentação saudável e natural.

Para resgatar o consumo destas PANCS um grupo de pessoas interessadas na difusão deste conhecimento, criaram o projeto Ka'a Eté, que em Tupi Guarani significa "Mata Importante" para mapear as ocorrências destas plantas em diversas regiões do mundo.

Através de um web site, com uma base de conhecimentos livres, o projeto Ka'a Eté está formando uma rede viva entre plantas e pessoas, produção e consumo, coleta e plantio, gerando assim uma economia social criativa. No site, você encontrará a descrição de cada PANC, aliado a um mapa dinâmico de onde encontrá-las.

Essa iniciativa é SENSACIONAL! Clique AQUI e descubra as incríveis PANCS que estão por aí disponíveis para o nosso consumo, saúde e prazer.

Quer saber mais? Assista abaixo, ao pequeno comentário sobre as estrelas PANCs do momento.




"Nós temos um jardim nos canteiros de rua que são comestíveis e a gente pode fazer um trabalho em cima disso. Fazer com que as pessoas coloquem esses ingredientes nos pratos. Biodiversidade quando sai na boca não tem valor, quando entra na boca, ganha valor." (Cheff - Alex Atala)

Veja também:  7 frutas da Mata Atlântica que você não conhece - elas são PANCs - AQUI

E se você curte plantar seu alimento, poderá gostar também dos posts abaixo:

Paisagismo comestível - AQUI

Jardim Aromático - AQUI

Abraços,
Sejamos Felizes!

Fontes: somosverdes, coletivoverde, gastrolândia, teia orgânica

Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)