Copo-de-leite e Callas

terça-feira, abril 19, 2016

No universo floral, o Copo-de-Leite e a Calla (Zantedeschia aethiopica) costumam ser sinônimo de estilo, elegância, requinte e alegria. A diferença é que o copo-de-leite é branco e a calla é colorida.


É uma flor que possui uma forma discreta, cuja estrutura limpa em forma de cálice, confere à ela um apelo sofisticado muito apreciado em arranjos para ocasiões festivas e elegantes. A forma dessa flor é muito requisitada para buquês de noivas diferenciados e sofisticados, corsages e decorações de efeito requintado. Mas é claro que também faz bonito, e diga-se de passagem, muito bonito, por si só em simples arranjos que valorizam qualquer ambiente.

Oferecendo uma boa diversidade de cores como branco, vermelho, amarelo, rosa, roxo, laranja, verde, preto (chiquérrimo) e bicolores, a Calla e o copo-de-leite sempre se destacam com sua forma sóbria e elegante. O que mais impressiona nela é seu cálice, cuja forma é ao mesmo tempo extremamente simples e elegante. Realmente uma bráctea sublime, que se instalada de forma imponente no topo do caule como uma folha torcida, cuja abertura permite olhar para o coração da flor.


Com vários significados associados a pureza, simpatia e beleza sóbria, elas também são reconhecidas como amuleto da sorte, para gregos e romanos desde a antiguidade, simbolizando para estes povos a alegria das vitórias através da forma da flor que é uma reminiscência de um cálice com o qual brindavam suas conquistas.

Origem

Conhecida também como Zantedeschia aethiopica, as Callas e copos-de-leite se originaram na África do Sul, onde sempre cresceu em zonas de umidade, áreas alternadas entre lamacentas e secas, conferindo à flor não só beleza, mas também durabilidade. Pertence à família das Aráceas, a mesma do Antúrio e do Lírio. É tóxica, devido à presença de oxalato de cálcio.


Cuidados como flor de corte

  • Retire as flores da embalagem com cuidado.
  • Corte em chanfro/diagonal +/- 2 centímetros da base das hastes, utilizando uma faca ou tesoura bem limpa e afiada para evitar a proliferação de bactérias.
  • Retire as folhas que ficarão submersas na água, pois submersas, essas folhas apodrecem e encurtam a durabilidade da planta.
  • Preencha o vaso com  5 à dez centímetros de sua altura com água limpa.
  • Troque a água do vaso a cada 2 dias, lavando bem o vaso a cada troca e aparando as extremidades das hastes que ficaram submersas.
  • Não borrife água sobre as flores.


No Jardim

  • Como esta planta gosta de solo úmidos, não é preciso se preocupar com a drenagem, mas é preciso atentar para garantir nutrientes que enriqueçam o solo com fertilizantes orgânicos e químicos necessários ao bom desenvolvimento da planta.
  • Plante o bulbo numa cova com 20 centímetros de diâmetro e +/- 10 cms de profundidade.
  • Fertilizar o solo do plantio com NPK 04-14-08 na proporção de 2 colheres (sopa) para cada cova, + adubo orgânico como húmus de minhoca que ajuda a reter a umidade do solo.
  • Regue bem. Como esta planta gosta de solos úmidos, o ideal é regar diariamente.
  • O período para o florescimento gira em torno de +/- 65 dias.
  • As Callas com sua folhagem densa, flores coloridas e elegantes são magníficas para formação de canteiros maciços e cheios de movimento.


Sempre haverá flores para aqueles que querem vê-las.

Henri Matisse


Abraços,
Sejamos Felizes!

Lembrou de alguém que gostaria do post? Espalhe essa ideia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)