Oráculo da Extinção

quinta-feira, setembro 10, 2015

Olá,

Você já parou para pensar o quão "surrealista" é a contribuição do ser humano na degradação do meio ambiente ocasionando para a humanidade perdas irreparáveis que podem levar a extinção da própria espécie? Pode até parecer coisa de cinema criada pela ficção, mas, lamentavelmente, cada vez mais nos aproximamos desta realidade surreal.

A abordagem artística desta temática é o que compartilho neste post, apresentando o incrível trabalho com pinturas a óleo sombriamente realistas com ares surreais, da pintora Alexandra Manukyan, através da sua coleção "Oracle the Extinction", ou Oráculo da Extinção: uma interpretação fictícia do impacto catastrófico do comportamento da humanidade sobre o meio ambiente, e em como esse comportamento afetará o futuro do nosso planeta.


Na série de obras recentemente exposta na Copro Gallery em Los Angeles, a artista mostra heroínas régias com animais que sofreram nas mãos da humanidade, reduzidos a pele e ossos, com suas formas lamentáveis sufocadas entre resíduos e detritos.

Embora em sua pintura, Manukyan use métodos tradicionais em um estilo clássico, seu trabalho está diretamente ligado à realidade atual onde o derretimento das calotas polares, o aumento do nível do mar, o transbordamento de aterros, as chaminés industriais que poluem o ar, são provas irrefutáveis do quanto as ações humanas são destrutivas ao seu próprio meio ambiente.

A artista explora temas com personagens femininas de rainhas com vestidos feitos de sacos de lixo, equilibrando coroas feitas de resíduos da Natureza, significando o peso do mundo sobre seus ombros como se elas pudessem manter um frágil equilíbrio entre um futuro sombrio e alguma possibilidade de salvação.

Segundo a Manukyan, em entrevista dada a My Modern Met (que você pode ler na íntegra AQUI), ao abordar na coleção "Oráculos de Extinção" os fatores nocivos do comportamento humano sobre o ambiente e o futuro do nosso planeta, ela busca sensibilizar e reforçar através da sua arte, aquilo que já tem sido um alerta há muito tempo para a humanidade:

Na sua busca insustentável para viver uma vida melhor, o homem trata com pouco respeito o meio ambiente causando uma quantidade impressionante de desastres ambientais. A maior e mais importante experiência na Terra é aquela que todos nós estamos realizando, agora mesmo, na própria Terra.

Atualmente, a poluição é considerada como o assassino número 1, que afeta mais de 100 milhões de vidas em todo o mundo. Mais de 1 milhão de aves marinhas e 100 milhões de mamíferos são mortos pela poluição a cada ano. Obviamente, a mudança é necessária.

Tomara que a arte possa inspirar as mudanças que a humanidade precisa em muitos âmbitos, para encontrar algum escape deste previsível futuro desolador. Enquanto isso conheça um pouco do trabalho de Alexandra Manukyan nas imagens que selecionei para sua apreciação e reflexão...






Saiba mais sobre o trabalho de Alexandra Manukyan AQUI.

Veja também: Como Cuidar da Terra - AQUI

Abraços,
Sejamos Felizes!

Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!


Fonte: my modern met: site da artista.

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)