Pocket Park - Pracinha Oscar Freire

quinta-feira, dezembro 11, 2014



Mais novidade chegando por aqui para agregar valor aos hábitos de convivência dos paulistanos.


Seguindo o conceito de "Pocket Park", ou "espaço livre" que confere outra função e forma de uso em áreas de estacionamento públicos ou privados, a nova área batizada como "Pracinha Oscar Freire", inaugurada este ano na rua de mesmo nome, é o precursor dos espaços aprovados por decreto municipal que permitem e regulamentam sua implantação na cidade como é o caso dos "Parklets".


A nova "Pracinha", que ocupa  300 m2, tem cumprido bem seu papel ao abrir um amplo debate sobre a necessidade de se construir cidades mais humanas e sustentáveis. A obra é uma iniciativa da REUD, empresa de desenvolvimento imobiliário, e tem o projeto arquitetônico em parceria com o Instituto de Mobilidade Verde e Zoom Arquitetura.


Segundo Lincoln Paiva, diretor do Instituto Mobilidade Verde e idealizador desta ação: "a idéia é que estes espaços possam se espalhar pela cidade, possibilitando a discussão sobre novos instrumentos urbanísticos que permitam transformar pequenos espaços em lugares mais agradáveis e seguros para a melhoria da qualidade de vida e valorização da comunidade.


A "Pracinha" pegou tão bem que virou o ponto de encontro do momento, pois seu espaço se transformou num oásis de conforto verde e florido dentro da rotina estressante da capital paulista. Nesse ponto de encontro além de desfrutar de um ambiente simpático, bonito e bem cuidado, as pessoas contam também com um lugar para almoço, lanches, drinks e cafés, num novo point, onde os "food Trucks", uma nova febre gastronômica da cidade, ficam estacionados oferecendo diversas possibilidades gourmets.


A "Pracinha" também é Hub para inspirar as pessoas a trabalharem ao ar livre. Lá as pessoas encontram um espaço para se encontrar, relaxar e até trabalhar. Sim trabalhar, pois a "Pracinha" proporciona também ao público, um espaço de "Coworking", que é uma solução sob medida para os profissionais que procuram um lugar para trabalhar, começar ou continuar suas atividades, sem os custos ocasionados pela manutenção de um escritório com boa localização básica.


Como hub, no espaço de "coworking" a céu aberto, as pessoas encontram na "Pracinha" mesas comunitárias para até oito pessoas, com guarda-sol e wi-fi; Tudo gratuito possibilitando um encontro agradável e bem oportuno para o desenvolvimento de trabalhos e diversas transações de negócios.


Mas, como tudo que é bom, todo mundo quer, nem preciso dizer que o espaço é muito, mas muito mesmo concorridíssimo, tanto que para o uso do coworking, é preciso se inscrever com antecedência no hub; a inscrição é gratuita, mas imprescindível para ter acesso as mesas coletivas e internet livre.


O espaço contém também programação gratuita com atividades recreativas, workshops e área para eventos, cujas programações são disponibilizadas numa grande lousa interativa instalada para que todos tenham acesso.


O primeiro Pocketpark surgiu em Nova York em 1967 na 5å Avenida, a pedido do então presidente da CBS, Williian Paley, que contratou os arquitetos paisagistas Robert Zion e Harold Breen para criar um pequeno parque de baixa manutenção, com paisagismo, cadeiras leves e portáteis e emprego de materiais duráveis.

Saiba mais sobre os Pockets pelo mundo: Pocket Parks pelo mundo

Abraços,
Sejamos Felizes!


Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!


Fontes: mobilize.org.br; Instituto Mobilidade Verde; Zoom Arquitetura.

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)