Mar de Papoulas vermelhas na Torre de Londres

quarta-feira, novembro 05, 2014




Milhares de Papoulas vermelhas em torno da Torre de Londres chamam a atenção de um vasto público mesclado por pessoas comuns, veteranos de guerra e da realeza numa homenagem emocionante e digna, onde cada papoula é plantada para homenagear uma única vida...


O artista Paul Cummings é o responsável pela criação da instalação que ele denominou como "Terras de sangue Swept" e "Mares de vermelho", feita com 888.246 flores cerâmicas de Papoula, sendo que cada uma, representa uma pessoa britânica que morreu na primeira grande guerra mundial. Os modelos das flores foram feitos a mão pelo próprio Paul Cummings, que contou com a colaboração do cenógrafo Tom Piper, para projetar o cenário da instalação. Contou também com equipes de voluntários que trabalharam dia e noite para montar cuidadosamente cada flor. A primeira papoula da instalação foi implantada no dia 05 de Agosto, primeiro dia da participação da Grã Bretanha na guerra, e a última será implantada no Dia do Armistício comemorado em 11 de Novembro próximo.


A impressionante instalação abrange 16 hectares, o que equivale aproximadamente a 250 campos de tenis ou 16 campos de futebol. Noventa toneladas de aço foram utilizadas para criar as hastes das flores cerâmicas que variam de 50 centímetros a um metro de altura, além das estruturas que fizeram as papoulas vermelhas parecerem estarem sendo derramadas de uma das janelas da Torre até pairarem flutuando sobre o fosso ao redor da muralha.


O Huffington Post, relata que enormes multidões já viram a impressionante instalação que continua atraindo milhares de pessoas diariamente. "A Torre de Londres está sendo assediada diariamente por um dilúvio de turistas e londrinos, que estão fazendo fila em volta do quarteirão para ver um mar de Papoulas vermelhas fluindo de uma das janelas da Torre e se derramando em torno de um dos monumentos mais históricos do mundo. " A Arte faz parte dos preparativos para a comemoração dos cem anos desde a eclosão da grande guerra."


Segundo o The Guardian, o primeiro ministro do Reino Unido, David Cameron, disse que a "exibição da instalação é impressionante e altamente comovente", acrescentando que a obra "é um lembrete de quantas pessoas deram suas vidas não só nesse conflito que obviamente foi um abate horrível, mas também em tantos conflitos, desde então, onde as nossas forças armadas e pessoais têm defendido nossas liberdades e nossos modos de vida."


Nos diversos significados atribuídos à flor da Papoula, estão a extravagância, o consolo e a ressurreição. Talvez alguns desses significados tenham inspirado Paul Cummings na criação dessa obra como uma homenagem que certamente entrará para a história. Mas a Papoula é um símbolo relacionado a lembrança também utilizado em outros países, como o Canadá, por exemplo, que todos os anos no mês de Novembro, desde 1921, a utiliza como um lembrete: o florescer de papoulas nas lapelas e colarinhos de muitos canadenses, como um compromisso visual em memória dos que perderam sua vida na guerra para que não sejam esquecidos. Saiba mais AQUI.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! compartilhe!


Fonte: my modern met.

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)