Pedra sobre Pedra

sexta-feira, setembro 05, 2014




Entre os materiais naturais de construção existentes, o mais importante é naturalmente a pedra, cujo uso em muitas construções ao longo da história, adquiriram um sentido simbólico associado ao sagrado. Nesse sentido, a pedra expressa dois aspectos bem distintos: um simboliza a natureza grosseira e imperfeita do ser humano através da sua forma bruta e suas arestas, enquanto o outro, graças a sua solidez e estabilidade, reflete a força da criação fazendo com que seja venerada como sagrada. Esse material de grande solidez e força simbólica que faz parte de tantas histórias é base do rico trabalho da dupla de artistas Andreas Kunert e Naomi Zetti,  que criam lindas decorações criativas com pedras em paredes e muros.


Sócios na arte e na vida, o casal Andreas e Naomi possuem sua própria empresa de escultura chamada "Ancient Art of Stone", especializada em murais para construções, aplicados em paredes muros, fachadas, lareiras, etc. com impressionantes padrões de mosaicos construídos com uma grande variedade de pedras, seixos e um nítido amor pelo o que fazem.


E como o amor faz toda a diferença em todos os âmbitos, no trabalho de Andreas e Naomi isso não é diferente. Com inspirações que fluem diretamente da Natureza, os dois artistas criam composições cujas formas e ritmos simples e puros, segundo eles, são inerentes às forças criativas da Terra e do Universo. A matéria prima para o trabalho, é a pedra que é extraída da natureza circundante das montanhas e vales em torno da casa em que moram na Ilha de Vancouver, além de outras que são recicladas para o mesmo fim.


Para eles a pedra é ao mesmo tempo matéria antiga, eterna e permanente. Ela está presente nos locais mais antigos de todo o mundo nas construções feitas de pedras que contêm além da história, a qualidade do que é imortal, eterno e misterioso, pois está ligada a verdade, poder e fluxo da Natureza que é conhecida hoje como geometria sagrada.

Andreas e Naomi esclarecem que a intenção depositada no seu trabalho é para:

  • voltar a despertar o espirito e a sabedoria do mundo antigo;
  • renovar a consciência dos povos e a conscientização, através dos nossos trabalhos criativos de arte;
  • criar espaços sagrados para nos ajudar a lembrar da nossa ligação inata com as forças criativas dentro de nós e na Natureza;
  • para trazer honra, respeito e sustentabilidade à todos os seres conscientes e sensíveis.

Veja alguns exemplos com aplicações do trabalho de Andreas e Naomi que selecionei para sua apreciação e inspiração:








Finalizo com o poema de Antonio Pereira para o livro Essência, de 1999:

A Pedra

O distraído nela tropeçou,
O bruto a usou como projétil,
O empreendedor, usando-a construiu,
O campônio, cansado da lida, dela fez assento.
Para os meninos foi brinquedo,
Drummond a poetizou,
Davi matou Golias...
Por fim;
O artista concebeu a mais bela escultura.
Em todos os casos,
A diferença não era a pedra.
Mas o homem.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Faça visível, coisas que sem você, talvez nunca serão vistas.

Robert Bresson


Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!



Fonte: Ancient Art of Stone.

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)