A estética das favelas em paisagens digitais

segunda-feira, agosto 25, 2014



Conheci recentemente o trabalho do artista Lituano, conceitual e ilustrador, Gedimias Pranckevicius, que possui uma imaginação de se invejar, além do talento de concretizar o que sai do seu mundo imaginário através de suas pinturas digitais.

A obra de Gedimias é bem vasta, sendo que a maior parte de suas pinturas digitais é centrada em torno do design de personagens diversos, mas a série que mais me impressionou, foi a das paisagens ricas em detalhes compostas com incríveis justaposições, onde de forma engenhosa, ele integra água, terra, natureza e arquitetura casual.

Por arquitetura casual, o trabalho de Gedimias traz a representação de aglomerados de moradias precárias que lembram complexos de favelas. Na obra "Time" (abaixo), por exemplo, a favela parece quase uma fotografia, com a exceção de ser subterrânea sob um campo verdejante com uma árvore florida, e pressionada por um bloco de água aparentemente habitada pela silhueta de um grande peixe.


Inúmeros artistas já se influenciaram e buscaram inspiração na "arquitetura" das favelas. Mas, na real, atualmente, com relação as favelas (aqui no Brasil), o direito a urbanização é um dado adquirido, ou seja, já não é mais uma questão simplesmente social e política, mas deve passar obrigatoriamente por uma dimensão cultural e estética. Quanto a estética, a singularidade desses espaços "ditos informais", conferem às favelas uma identidade espacial própria que, mesmo sendo diferentes entre si, fazem com que sejam parte da paisagem urbana. Já quanto a realidade que abarca um amplo quadro de pobreza e desigualdades sociais com essas habitações precárias inseridas nos espaços urbanos, as favelas se parecem com cenários surreais, assim como na obra de Gedimias.


Apesar de compor uma estética própria, as obras de Gedimidias, não escapam do surrealismo que está além da mera reprodução da realidade, pois para o surrealismo, toda a expressão artística deve referir-se não ao modelo externo, mas sim a outro, o interno, não condicionado por modelos culturais. Para atingir esse modelo interior, os surrealistas ao longo da história, se propuseram uma série de técnicas (automatismo, associações livres, hipnoses, colagens, etc.) destinadas a liberar o potencial imaginativo e criativo do subconsciente.

"Estamos todos um pouco loucos por dentro, e eu exponho com minha arte, todas as idéias de uma pequena parte louca de mim. Meu nome é o mesmo que o do famoso cavaleiro da Lituânia, que construiu a nossa Capital. Então eu estou tentando ser um cavaleiro do mundo da computação gráfica." (Gedimias)


O surrealismo, além de sua dimensão artística tem um objetivo último, e de certo modo transcendente, que é atingir uma radical renovação da humanidade, através da transformação de seus esquemas culturais, pois segundo André Breton: "o homem tem guardada em seu próprio pensamento, uma realidade desconhecida da qual depende, sem dúvida, a organização futura do mundo.

Espero que essa organização preveja uma estética onde possa existir mais igualdade social num mundo melhor e amigável para todos nós.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Saiba mais sobre Gedimias Pranckevicius AQUI.

Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!


Fontes: angelfire.com, vitruvius.com.br, site do artista.

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)