Arquitetura Animada

quarta-feira, junho 04, 2014


O universo da Arquitetura é muito rico e fascinante, mas quanto ao seu entendimento, não é tão acessível como o universo da Arte, que ainda é um tanto complexo para muitos. Comparativamente a obra de arte, a leitura de uma obra Arquitetônica vai muito além de uma simples estrutura com fachada. Para compreendê-la é necessário conhecer seus conceitos, sua planta, espaços interiores e exteriores. Não basta apenas achar sua estrutura bela, mas sim fazer uma leitura de tudo que a engloba.

Essa leitura não é nada fácil para a maioria das pessoas, mas quanto a isso, existem inúmeras obras acadêmicas que podem auxiliar os interessados leigos, além dos diversos recursos tecnológicos que favorecem a leitura de um projeto arquitetônico em três dimensões (3D), o que não para por aí, como podemos ver no trabalho do arquiteto francês Axel de Stampa.

Vitra Haus by Herzog & Meuron. Fotografia desconhecida. Gif por Axel de Stampa

Propondo um novo conceito na forma de olhar a arquitetura, Axel de Stampa, mostra que ao aplicar o formato gif sobre imagens de obras arquitetônicas, promove movimentos repetidos indefinidamente, gerando um novo olhar sobre essas estruturas que ele chama de quarta dimensão, e que  explica da seguinte maneira: "Quando se discute movimento em arquitetura, naturalmente se evoca a quarta dimensão que é o tempo. E isso é o movimento do corpo no espaço e a acumulação dos pontos de vista que atravessam um edifício." Com Arquitetura animada, Axel de Stampa, oferece um padrão inverso, no qual o edifício vai oferecer diferentes percepções ao observador imóvel; podendo desta forma, facilitar e revelar um indicador adicional para a obra arquitetônica.


Veja algumas aplicações de Gifs por Axel de Stampa sobre fotografias de algumas obras arquitetônicas famosas e seus efeitos visuais:


Absolute Towers/ MAD Architects. Fotografia: Tom Arban. Gif por Axel de Stampa

New Art Museum/Sanaa. Fotografia: James Ewing. Gif por Axel de Stampa

Museu da Memória/ Estúdio América. Fotografia: Nilco Saieh. Gif por Axel de Stampa

Zollverein School: Escola de Administração e Design? SANAA. Fotografia: Iwan Baan
Gif por Axel de Stampa

America's Cup Building/ David Chipperfield. Fotografo desconhecido. Gif por Axel de Stampa

Mirador Building/ MVRDV e Blanca Lleo. Fotografia: Luis Garcia. Gif por Axel de Stampa

Conheça mais sobre o trabalho de Axel de Stampa AQUI.

Com sua proposta, Axel imprime uma nova qualidade visual à obra arquitetônica quando a transforma em elástica e expansiva sugerindo um movimento orgânico vivo. Podemos imaginar que os edifícios se ampliarão infinitamente, mas o processo que pode sugerir diversos movimentos relativos aos espaços que a obra arquitetônica ocupa, gera um único resultado artístico definitivo e invariável.

O espaço está para a arquitetura concebida como a arte e como a literatura está para a poesia: constitui a sua prosa e dá-lhe a caracterização. Para dizê-lo em termo de crítica formalista, é objeto dos símbolos visivos mais adaptados, mais ajustados à arquitetura. Principalmente porque no espaço coincidem a vida e a cultura, os interesses espirituais e as responsabilidades sociais. Porque o espaço não é só cavidade vazia, "negação de solidez": é vivo e positivo. Não é apenas um fato visível: é, em todos os sentidos, e, sobretudo num sentido humano e integrado, uma realidade vivida."

Bruno Zevi - Livro: Saber ver a arquitetura

Abraços,
Sejamos Felizes!


Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)