Memórias Futuras

segunda-feira, maio 12, 2014




Por mais voltas que o mundo dê, um dia todos nós iremos nos encontrar em algum ponto. Um ponto pacífico, onde estaremos falando a mesma língua, bebendo o mesmo vinho, contando nossas histórias e rindo, um riso leve e sincero. Assim, estaremos prontos para percorrer juntos este longo caminho, em que simplesmente falamos dos nossos dias, vendo o futuro com olhos livres.

(Charles Chaplin)

Ver o futuro com olhos livres de preconceitos, rivalidades, egoísmos, ganâncias, desigualdades e destruições, é o mesmo que vislumbrar o "paraíso" tão desejado por todos. Se este paraíso será alcançado, eu não sei. Só sei que para muitos artistas, pensamentos a cerca do futuro, têm motivado a criação de muitos trabalhos constituídos por estes vislumbres.


Para a artista visual australiana Catherine Nelson, a sua série de obras "Memórias Futuras", explora mundos imaginários, compostos por inúmeros detalhes da Natureza, sobre delicados astros flutuantes no espaço. Repletos de complexos ecossistemas que poderiam orbitar entre as estrelas do nosso vasto Universo, estes mundos criados por Catherine, remetem a desejos de preservação, para que a Natureza não resida apenas em nossas memórias no futuro.


Catherine Nelson, criou durante muitos anos, mundos imaginários para o universo cinematográfico. Em seu curriculo constam trabalhos de efeitos visuais em projetos de filmes ilustres como Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, "300", Moulin Rouge e Austrália. Mas, foi a partir de 2008, que a artista devotou seu amor pela fotografia aliando sua experiência, técnica e sensibilidade para criação de um trabalho totalmente inspirado na Natureza.


O trabalho de criação artística de Catherine, é baseado em centenas de fotografias da Natureza, cujos detalhes são selecionados, recortados e costurados digitalmente pela artista, em um processo que leva meses, para que cada imagem seja concluida. Suas peças fotográficas possuem cerca de 100centímetros X 100centímetros, constituídas por imagens de água, árvores, animais e montanhas em composições de mundos oníricos e flutuantes.


Com relação a sua Arte, Catherine esclarece que sua percepção com relação a fotografia, mudou quando sentiu que tirar uma foto representava apenas o que estava dentro do quadro da lente, e que apenas isso não estava expressando a sua experiência pessoal e interior do mundo ao seu redor. Sua busca para um sentido mais autêntico e compatível com o seu objetivo de através do seu trabalho, possibilitar uma experiência visual mais sensível e poética, fez com que mesclasse a experiência obtida na produção de efeitos visuais em filmes + seu conhecimento de pintura decorrente de sua formação em Artes, para tirar fotos que pudesse transformar em um outro nível como trabalho artístico.


Quando estou colocando estes elemento juntos, é quando a minha imaginação entra realmente em ação. Eu tenho um certo grau de lealdade para com o lugar que fotografei, mas ao mesmo tempo é a minha interpretação desse local assim como um pintor.

(Catherine Nelson)


Conheça mais sobre a arte de Catherine Nelson AQUI.

Nas voltas que o mundo dá, a luz do esclarecimento vem nos brindar com cintilantes verdades, que narram incompreensões de outrora. Basta aguardar a sábia ação do tempo.

(Camila Custódio)

Abraços,
Sejamos Felizes!

Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)