Relações da Psicologia Ambiental com a Arquitetura e o Paisagismo.

quarta-feira, fevereiro 12, 2014




A Psicologia Ambiental estuda como as características dos ambientes interagem com as características psicológicas dos sujeitos e que implicações essa interação tem nas representações, na cognição e no comportamento humano. Ambiente é todo o entorno que nos rodeia, os diversos espaços físicos nos quais convivemos, bem como seus estímulos como o ar, os sons, paisagens etc.

A influência do ambiente físico sobre os indivíduos é de extrema importância, pois se trata de um sentimento que nem sempre é percebido conscientemente. Os impactos dos ambientes físicos provocam sensações que fazem com que os efeitos sejam sentidos, mas nem sempre conscientemente percebidos. Esta característica nos impede de percebermos o quanto o ambiente físico é responsável por impactos tanto negativos quanto positivos na nossa qualidade de vida.

Foi a partir da década de 50, em decorrência dos muitos prejuízos sofridos no meio ambiente através das ações destrutivas do homem, que começaram a surgir pesquisas que buscavam avaliar como o ambiente influenciava o comportamento humano afetando positivamente ou não a qualidade de vida. E de lá para cá, muitos estudiosos defenderam suas teses a respeito que embora divergentes em muitos aspectos, em um ponto concordam integralmente: o ambiente físico, segundo a Psicologia Ambiental, possui características que o tornam um agente altamente influenciador no comportamento das pessoas promovendo bem-estar, melhoria na produtividade, na saúde, etc.

Arquitetos e Paisagistas são alguns dos profissionais que se beneficiam dos resultados das pesquisas em Psicologia Ambiental. A arte de projetar é uma atividade subjetiva e abstrata, mas cabe a estes profissionais treinar a habilidade de apropriar-se dos conhecimentos da Psicologia Ambiental desenvolvendo estratégias para aplicá-los na concepção dos projetos, com o fim de proporcionar melhor qualidade de vida aos usuários.

Os profissionais que buscam subsídios fundamentados nos conhecimentos da Psicologia Ambiental para a tomada de decisões quanto a alternativa para solução de projetos, percebem nesta colaboração o rompimento das diferenças de procedimentos entre ciência e Arquitetura, Urbanismo e Design, num processo comum a atividades interdisciplinares. Como resultado, o impacto no desenvolvimento de projetos ambientais alinhados com a intervenção física focado no homem a quem se destina o projeto é visivelmente positivo.


As relações evidentes da Psicologia Ambiental com a Arquitetura, Urbanismo e o Design, especialmente no que tange os ambientes construídos, consideram o homem (usuário dos espaços) como centro do ambiente "em fase de concepção", com foco nas suas necessidades e niveis de satisfação a serem atendidas.

Quando a relação entre as pessoas e o espaço é compreendida, temos nas mãos a possibilidade de alterar adequadamente os espaços que vivemos para alcançarmos melhores resultados no que se refere  ao bem estar. Compreender as relações entre o homem versus espaço, torna possível melhorar ainda mais estes espaços e consequentemente as relações neles desenvolvidas. Ao projetar um ambiente, tanto Arquitetônico quanto Paisagístico, alguns aspectos devem ser prioritariamente considerados: beleza, funcionalidade, harmonia e satisfação dos futuros usuários, tendo sempre como finalidade principal buscar mais qualidade de vida.


As pessoas se relacionam afetivamente com os ambientes nos quais se inserem, estabelecendo com eles diferentes tipos de laços, cuja compreensão está intimamente relacionada ao entendimento da memória dos indivíduos e/ou grupos em relação a tais experiências. Nesse sentido,  o grande desafio da Psicologia Ambiental é contribuir para que o homem aprenda que é parte do ambiente, que depende deste ambiente e por isso deve desenvolver com ele uma relação harmoniosa e saudável.


Uma questão muito importante considerada pela Psicologia Ambiental é a Sustentabilidade, pois a preocupação com o meio ambiente permite que se atenda às necessidades do presente sem comprometer as possibilidades das gerações futuras. Sustentabilidade é um conceito atual e abrangente que envolve aspectos sociais, espaciais, culturais, econômicos, ambientais e políticos. Desenvolver projetos Arquitetônicos e Paisagísticos alinhados com as pesquisas em Psicologia Ambiental, e conceitos de Sustentabilidade é um grande desafio, capaz de proporcionar resultados edificantes onde todos saem ganhando.

Certamente muitos de nós já nos percebemos mais felizes em ambientes amplos e iluminados, do que em ambientes fechados e escuros. Devemos também já ter reparado como é difícil ser práticos morando ou trabalhando em ambientes bagunçados e mal cuidados. Sensações de bem estar contribuem para elevar nossa qualidade de vida, e como pudemos perceber neste post, devemos estar atentos a tudo o que nos rodeia para percebermos conscientemente de que forma nos afetam e como podemos  buscar soluções  necessárias ao nosso bem estar.

Fontes: Psicologia USP scielo.br - www.msgconsultores.com.br - wwwinfocien.org - imagens web

Abraços,
Sejamos Felizes!


Lembrou de alguém que gostaria desse post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)