Margaret Mee e a Flor da Lua

sábado, dezembro 21, 2013




"Enquanto me posicionava, ali com a orla escura da floresta ao meu redor, sentia-me enfeitiçada. Então a primeira pétala começou a mexer-se, depois outra e mais outra e a flor explodiu para a vida." (Margaret Mee)

Aos 79 anos de idade, morreu Margaret Mee. Ela vem de uma época em que a maioria de sua geração já havia se aposentado, mas ela não. Por volta dos seus 30 anos, Margaret dedicou sua vida a viajar pelo rio Amazonas e seus vários afluentes. Ela não era simplesmente uma viajante explorando novos lugares, mas sim uma pintora que tentou criar um registro único das espécies de flores da Bacia Amazônica antes que desapareçam sob o ataque do homem. Seu trabalho tem sido comparado a alguns dos maiores mestres na pintura da Natureza.


Margaret Ursula Mee (1909 - 1988) nasceu em Chesham, Buckinghamshire, Inglaterra. Estudou arte em Londres na Escola St. Martin of Art, Centro escola de Arte e Camberweel School of Art. Recebeu um diploma nacional em pintura e desenho em 1950. E, em 1952, se mudou para o Brasil com seu segundo marido, Greville, passando a ensinar a arte por cinco anos em escola britânica de São Paulo. Depois, começou a trabalhar no Instituto de Botânica de São Paulo. Explorou as selvas brasileiras em numerosas expedições entre 1958 e 1964, antes de se concentrar na selva Amazônica de 1964 a 1988. Durante esse período recolheu plantas, as pintou e descreveu sua aventura em três de suas publicações mais conhecidas: "Flores das Florestas Brasileiras (1968)", "Flores da Amazônia (1980)", e "In Search of Flowers of the Amazon Forest (1988)". Quando Margaret Mee morreu em um acidente de carro na Inglaterra, em 1988, ela deixou pata trás 400 fólios de ilustrações em guache, 40 sketchbooks e 15 diários. A Margaret Mee Amazon Trust foi fundada em 1988 para preservar o seu legado. A confiança é dedicada ao ensino e investigação das plantas da amazônia e sua conservação. Para o efeito, a Amazon Trust oferece bolsa de estudos para estudantes botânicos brasileiros e ilustradores de plantas para estudar no Reino Unido ou conduzir pesquisa no campo no Brasil. Sobe a Margaret Mee Amazon Trust, saiba AQUI.


Para você conhecer um pouquinho da personalidade delicada e forte de Elizabet Mee e algumas de suas aventuras, transcrevo abaixo alguns trechos da última entrevista com a artista transmitida no MacNeil-Leher NewsHour em novembro de 1988 (cortesia de MacNeil-Leher Productions - disponível no site do Hunt Institute), além das belíssimas imagens com suas ilustrações ao longo do post.

Mr. Macneil: Mrs. Mee, como foi que você se interessou pela Amazônia? E qual o seu interesse nas flores da Amazônia?

Mrs. Mee: Bem, quando eu cheguei ao Brasil, eu estava muito ansiosa para ir até a Amazônia, mas tive que esperar alguns anos, porque minha irmã estava gravemente doente em São Paulo.Quando pude fui para o Pará que é parte da Amazônia e comecei a pintar flores por lá. Eu já tinha visto plantas maravilhosas na Mata Atlântica na Serra de Goiás. Mas, quando fui para o Amazonas caí completamente de amor pela flora que encontrei por lá.


Mr. Macneil: Você sentiu que tinha que ir cada vez mais a fundo para obter mais coisas que não poderiam ser vistas em qualquer outro lugar?

Mrs. Mee: Isso mesmo, e eu encontrei algumas novas plantas por lá que me inspiraram a seguir em frente, olhar para outras e gravá-las.

Mr. Macneil: Estava procurando por plantas que nunca tinham sido encontradas, ou sua intenção era de gravar plantas que poderiam ser dizimadas pela civilização?

Mrs. Mee: Ambos. Por um lado, aquelas que nunca haviam sido descobertas, provavelmente seriam exterminadas em primeiro lugar, é claro, porque são raras, e como você sabe, esses ecosistemas existem apenas no Amazonas, onde uma determinada planta pode ser encontrada, e que, talvez, não possa ser encontrada em nenhum outro lugar da Amazônia.


Mr. Macneil: O que existem nos tipos de flores existentes na floresta amazônica, que a atrai como artista, que você não pode encontrar em flores exóticas de outros lugares?

Mrs. Mee: Bem, por um lado algumas dessas flores são extremamente agressivas. As bromélias, que são da família do abacaxi, têm grandes espinhos. Na verdade, elas são bem difíceis de coletar. Além disso elas abrigam exércitos de criaturas, incluindo escorpiões, aranhas venenosas, formigas, e até cobras em alguns casos. Mas, claro, há outras que são tão bonitas, de cor delicada, como as orquídeas, Cattleya Violacea, por exemplo, e a orquídea azul, Acacallis Cyanea, que são absolutamente um sonho.


Mr. Macneil: Eu li sobre algumas das coisas que você passou com insetos e cobras e as tribos indígenas e algumas pessoas brancas...

Mrs. Mee: Bem, quanto as tribos indígenas, não tenho medo dos índios, na verdade, eu encontrei-os amáveis, hospitaleiros, pessoas amigáveis. Tive algumas aventuras muito horríveis com aventureiros brancos: os garimpeiros.


Mr. Macneil:  O que aconteceu? Descreva algumas dessas aventuras.

Mrs. Mee: Bem, eu estava uma vez em uma aldeia indígena, dos índios Tucano, em Curi Curi, no rio Curi Curi Ari, que é um afluente do Rio Negro. Nos altos escalões do Rio Negro, e lá eu estava coletando plantas para pintura, quando numa uma manhã,  que os índios tinham ido em suas canoas para trabalhar em suas plantações, e só estariam de volta ao anoitecer, eu ouvi um motor de popa vindo rio acima, e em poucos minutos, sete homens de aparência rude chegavam no caminho para minha cabana. Eles estavam junto com grandes garimpeiros que, ao me avistarem disseram que era "Uma fantasia encontrar uma mulher como eu alí"- e perguntaram onde estava meu marido. então é claro eu disse a verdade, porque é melhor dizer a verdade aos bandidos. e eu disse em São Paulo. Então um deles me perguntou o que eu tinha para dar para eles: wiskey? Não. Cachaça (essa é a  bebida muito intoxicante do Brasil)? Respondi que não que eu estava  ali para trabalhar e que tinha álcool só para uso na  minha cozinha. Ao que ele respondeu: Oh, o que mais você tem para nós? E eu disse, nada. Ao que ele respondeu que estariam de volta mais tarde. E eu pensei, oh, meu Deus, isso é horrível. O que vou fazer agora? Então fui para minha cabana, escondi tudo o que tinha de valor, e depois carreguei meu revólver de seis balas e pensei, que ir para a floresta talvez fosse a melhor coisa a fazer. Mas quando olhei pela fresta da palha que revestia a cabana, vi que haviam três deles circulando ao redor. Foi quando pensei que aquilo não era bom e sentei-me em uma caixa escondendo meu revólver debaixo das mãos, fingindo ler um livro esperei até que, em cerca de meia hora, vi uma sombra na porta. Um grande garimpeiro estava de volta e bêbado. Quando ele entrou na cabana, comprimi meu revólver em seu estomago, o que lhe deu um choque, eu posso dizer. Ele se afastou e eu o segui. Por esta altura, o meu medo foi se dissipando e um velho índio fora da aldeia me alertou "tenha cuidado, ele é muito bêbado, eu vou levá-lo até o rio". Quando o homem disse: "Não seja hostil" querendo apertar minha mão e num salto tentou me desarmar, foi empurrado pelo velho índio. Eles se foram e cerca de meia hora mais tarde, os índios voltaram com reforços, pois sabiam tudo o que estava acontecendo. Depois que contei a estória, passei a ser tratada como rainha.


Mr. Macneil: Quantas viagens você fez até a Amazônia?

Mrs. Mee: Eu viajei durante quinze anos, sendo que na última fui para encontrar um cacto que abre a noite e desaparece para sempre ao amanhecer: A chamada "Flor da Lua".

Mr. Macneil: Há quanto tempo você esperou por isso?

Mrs. Mee: Desde 1965.


Mr. Macneil: Conte-me sobre os sentimentos de finalmente encontrar um exemplar desta planta durante a noite quando ela floresce e de que modo você pode testemunhar isso.

Mrs. Mee: Bem, eu me senti feliz. Eu tive que subir no barco com todos os meus materiais de desenho e sentar-me na frente do botão da flor e ficar esperando que se abrisse. E foi muito emocionante acompanhar o tempo em que ele se abriu. Uma vez aberto, exalou um perfume maravilhoso que atraiu a mariposa falcão para polinizá-lo. Havia uma lua cheia através das copas das árvores, completando o cenário magnífico tendo ao fundo o som das aves noturnas.


Mr. Macneil: Você nunca se preocupou em ser mordida por insetos, cobras venenosas ou outras criaturas que podem existir na floresta?

Mrs. Mee: Os insetos são um incômodo, mas eu não temo os pássaros e o demais animais. É o ser humano semi-civilizado que eu temo muito mais. Eles são o verdadeiro perigo.


Mr. Macneil: Qual será o seu objetivo na próxima viagem?

Mrs. Mee: Bem, eu tenho tantas idéias sobre a Amazônia. Quero ir pra o Rio Japurá, mas também quero repetir a viagem à Anavilianis, que é uma área maravilhosa para as plantas que não são destruídas, pois é uma reserva. Estou com um pouco de medo de ir muito longe, não com medo pela minha vida ou algo assim, oh não, mas medo do que verei, como a destruição horrível que já vi sobre o Rio Negro: era quase irreconhecível, uma tragédia, que rio glorioso onde eu costumava amarrar meu barco numa grande árvore Swartzia, entrando em flor, ou qualquer grande árvore lá em cima. Eu quase conhecia as árvores como amigos individualmente. Mas não há mais nenhuma delas à esquerda do rio. A motor serra destruiu primeiro, para que carvoeiros as queimassem para abastecer as indústrias.


Mr. Macneil: Você criou um registro muito grande e significativo sobre estas flores e seu trabalho tem sido comparado com muitos dos grandes pintores e flores do passado. O quê você ainda não fez e gostaria de fazer? O quê a deixa insatisfeita?

Mrs. Mee: Bem, eu escrevi os meus diários. Eles estão neste livro é claro. E eu tenho feito, como você diz, uma verdadeira coleção de plantas amazônicas, mas ainda há tantos, tantos para ser gravado, e isso tem que ser feito antes que elas sejam destruídas o que é humanamente possível. Bem, vou precisar de mais seis vidas, o que não será concedida, para fazer realmente o suficiente para me satisfazer.


Margaret Mee não pode voltar para a Amazônia, teve sua vida interrompida por um trágico acidente, mas deixou seu exemplo e sua obra para inspirar a todos sobre as belezas existentes na Natureza e a importância da sua preservação. Seus trabalhos artísticos são também considerados como ilustrações científicas decorrente do enfoque na riqueza e precisão dos detalhes. A ilustrações botânicas de Margaret Mee, transmitem uma mensagem que não pode ser substituída, pois além do valor artístico, é também válidada como documento científico e didático sintetizando como o desenho é capaz de fortalecer vínculos que extrapolam os campos artísticos e científicos.

Sua vida e sua obra ganharam recentemente um documentário que retrata a diversidade da flora que compõe a floresta Amazônica. No filme, a história de Margaret Mee emociona, não só pela riqueza da sua arte, mas também pelo alerta para a necessidade de preservação do meio ambiente e da flora brasileira. Segundo a Jornalista Salyena Borges, o registro mais impressionante feito por "Mee", foi a "Flor da Lua", que se abre e fecha durante apenas uma noite, ou seja, a flor nasce e morre. As filmagens aconteceram no período do ano em que ocorre o fenômeno no mês de junho. Os produtores conseguiram filmar exatamente o que Margaret ilustrou.


Margaret Mee e a Flor da Lua - O Filme - Saiba sobre AQUI.

Este Post é para Amanda, querida guerreira e grande incentivadora para a existência deste blog.

Abraços à todos,
Sejamos Felizes!

Imagens: web/google


Lembrou de alguém que gostaria do post?
Espalhe essa idéia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)