Um Jardim para Cuidar

sábado, junho 01, 2013




Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é muito grande. As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as delas. Temos que nos bastar... nos bastar sempre! E quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém. As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida. Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa em primeiro lugar não precisar dela.  Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente gostar de quem gosta de você. O segredo é não cuidar das Borboletas e sim cuidar do Jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você. (Mario Quintana)


Cuidar do Jardim para que venham as Borboletas é cuidar do nosso interior através do auto conhecimento: uma busca de natureza ética, que nos leva à compreensão sobre nossas potencialidades e limitações, para que tenhamos domínio sobre nós mesmos. Quase todo mundo já ouviu a celebre frase do filósofo Sócrates: "Conhece-te a ti mesmo..." que desde a antigüidade reconhece o auto conhecimento como uma conquista que traz liberdade e realização para a pessoa. E, nesse sentido, o auto conhecimento não é algo pronto mas sim uma busca que levará a uma compreensão de nós mesmos nos fortalecendo para fazermos  nossas escolhas de forma consciente e condizente com aquilo que somos. Mas isto não é tarefa fácil é preciso coragem e decisão, além de  existir o querer encontrar um sentido para nossas vidas e o reconhecimento que a qualidade da vida está  também diretamente relacionada com a qualidade das relações humanas pois, conhecemos melhor o outro quando compreendemos a nós mesmos reconhecendo nossos defeitos e qualidades. Para cuidar do nosso jardim interior precisamos antes de tudo conhecer sua base, sondar seus mistérios e desvendar seus caminhos para escolher com cuidado o que semear certos daquilo que queremos colher. Não é nada fácil descobrir nossas fraquezas, superar medos, reconhecer o que é mais íntimo e está ali escondido, é como lidar com as ervas daninhas que surgem no jardim sem que sejam bem vindas. O caminho para a evolução será florido, se nele plantarmos as flores do Amor, do Bem, do Belo e do Respeito por nós mesmos, com os cuidados necessários à nossa auto estima para que floresça a nossa verdadeira essência. Assim não precisaremos mais reclamar pelas Borboletas que não chegam ou que estão no jardim do vizinho pois, se nos dedicarmos na transformação da nossa vida de dentro para fora de forma amorosa e ética seremos como um jardim bem cuidado, belo e perfumado atraindo as Borboletas até nós.

Abraços desejosos de que possamos sempre agregar qualidade a nossa existência....

E que venham as Borboletas! 
Sejamos Felizes


Imagens: Seleções google


Lembrou de alguém que gostaria do post? 

Espalhe essa idéia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)