Hortelões Urbanos

terça-feira, junho 25, 2013



Hortelão é aquele que trata de uma Horta. Assim como o Horticultor que se dedica ao cultivo de Hortas, que é versado em Horticultura e que se ocupa com o cultivo de verduras, legumes, plantas ornamentais, flores e frutas. Resumindo: Hortelão é um cultivador e ou cuidador de Hortas.

Já o nome: Hortelões Urbanos, é a denominação de um movimento de Horta Urbana que nasceu em 2011, quando Tatiana Achcar e Claudia Visoni (jornalistas e pesquisadoras de agroecologia) ministraram uma oficina em São Paulo sobre agricultura urbana, na qual perceberam o interesse dos participantes sobre o tema e a carência que as pessoas que vivem numa cidade como São Paulo têm do contato com a "terra" e seus benefícios.

Daí surgiu o movimento cujo o objetivo principal é servir de rede de apoio para quem quer cultivar alimentos e inspirar comunidades para o plantio coletivo e voluntário de plantas comestíveis.



Hoje o movimento se articula em um grupo no Facebook com mais de 2000 integrantes e é aberto aos entusiastas da agricultura urbana, hortas coletivas e alimentação saudável. Muitos dos membros do grupo organizam espontaneamente atividades coletivas de agricultura urbana e segundo Claudia: "o grupo Hortelões Urbanos atua sobretudo como catalisador de intenções de quem deseja plantar alimento na cidade e ajuda a reunir grupos locais para colocar em prática esse sonho".


Uma das idéias sugeridas no grupo foi uma horta comunitária experimental em um espaço público. Como muitos dos participantes moravam próximo à Praça das Corujas (entre o Sumarezinho e a Vila Madalena - SP), esse local foi escolhido para receber o que mais tarde ficou conhecido como "Horta das Corujas". Nela desde de julho de 2012, voluntários locais cultivam e trocam experiências sobre o manejo das mudas e da Horta com outros participantes juntos afirmam: "aprendemos também a usar o espaço público, respeitando as regras locais e outros usuários, informa o blog da Horta".


No Blog Horta das Corujas, estão publicados os principais objetivos do grupo que são:

  • Ajudar as pessoas a começar a cultivar alimentos em casa;
  • Criar oportunidades para troca de experiências sobre o plantio doméstico;
  • Facilitar a criação de Hortas comunitárias;
  • Realizar eventos para troca de sementes e mudas.

E veja só que bacana: algo aparentemente impossível está de fato acontecendo na avenida mais famosa de São Paulo. Entre os prédios e o asfalto, um grupo de moradores está cultivando uma horta na Avenida Paulista, denominada "Horta dos Ciclistas". O espaço é pequeno e a variedade não é muita - até agora, manjericão, tomate e couve estão crescendo por lá, mas a simbologia da iniciativa ultrapassa em muito qualquer problema com o tamanho. Todo primeiro domingo de cada mês integrantes do grupo Hortelões Urbanos se junta para cuidar do espaço. Em todo o resto do tempo, os moradores da região é que fazem o trabalho. Não há registros de depredação só de colaboração.


A importância das Hortas Urbanas


A necessidade do homem trabalhar a terra para daí extrair alimentos é uma questão de sobrevivência, mas a atração que o homem urbano sente pela atividade agrícola, não se explica só pela vontade de experimentar outros sabores que não apenas os minimamente oferecidos pelas prateleiras dos supermercados. Tem, para muitos, raízes mais profundas relacionadas a uma vontade natural de evasão, um misto de ócio e trabalho em contato direto com a Natureza que só nos recompensa com prazer e bem estar.


O fenômeno das hortas urbanas surgiu nos países do norte da Europa durante a segunda metade do século XIX. Na Alemanha existem hortas urbanas desde 1864. Na Dinamarca, por exemplo, o país europeu com a maior percentagem de hortas urbanas, esta tradição remonta ao século XVIII.

No Brasil, ainda há muito o que construir nesse sentido mas, ainda assim, o projeto Horta Comunitárias desenvolvido pela ONG Cidades sem Fome de São Paulo, ganhou um prêmio criado pelo governo de Dubai para premiar as doze iniciativas mundiais mais criativas e que ajudem a melhorar as condições de vida das comunidades.

O prêmio foi lançado em parceria com a Habitat, agência das Nações Unidas para a promoção das cidades sustentáveis e tem como objetivo maior, apoiar o intercâmbio de experiências através de redes  de aprendizagem em comunidades de todo o mundo.


Muitas pessoas com o interesse em ter uma horta caseira ou até mesmo uma horta nas imediações do bairro em que moram, e  que, não sabiam por onde começar,  conseguiram apoio através do contato com o grupo dos Hortelões Urbanos. O cultivo de alimentos saudáveis é uma alternativa viável a todos. Existem inúmeras opções para a confecção de hortas caseiras. Optar por uma delas vai depender da vontade de cada um.

Criar sua própria horta é sem dúvida uma forma de contribuição para o desenvolvimento sustentável em vários níveis, tais como o seu regular acesso direto a produtos frescos mais saudáveis, assim como ter uma grande vantagem ao nível da qualidade de vida, pois contribui para a terapia mental ao driblar o stress do cotidiano melhorando seu bem estar físico e mental.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Imagens: web/google


Lembrou de alguém que gostaria do post? Espalhe essa idéia! Compartilhe!

Leia também!

0 comentários

Todo comentário construtivo é bem vindo.
No entanto, comentários ofensivos, preconceituosos, mal educados ou incompreensíveis, serão apagados.
Comentários que sejam spam ou propaganda, que não tenham a ver com o conteúdo do post ou do blog, também serão apagados.
Se quiser contratar um serviço, utilize a página de Contato.

Obrigada pela visita!

Google Plus

Like us on Facebook

Quote do dia

"Eu agradeço pelas inúmeras vezes que você me enxergou melhor do que eu sou... Pela capacidade de me olhar mais devagar... já que muita gente já me olhou depressa demais. Olhe devagar cada coisa. Aceita o desafio de ver o que a multidão não viu. Entre cascalhos disformes, estranhos diamantes sobrevivem solitários. É bom ter amigos. Eles são pontes que nos fazem chegar aos lugares mais distantes de nós mesmos. A beleza anda de braços dados com a simplicidade. Basta observar a lógica silenciosa que prevalece nos jardins."
(Pe. Fabio de Melo)